Dentro da noite

Na noite escura, em branco, preto e amarelo

Proponho uma inversão: antes mesmo de falar do texto escrito, abordar as ilustrações. Ou melhor, o pano de fundo, a edição. Predomina o preto, na capa – bonita, misteriosa, nas páginas – em que o branco rendado em dedos e o negro dividem o espaço. A noite envolve o leitor. E é uma ilustração que abre a história. Uma ilustração noturna, um vagão? Aponta desde já para a trilogia de cores que vai se repetir: o preto, o branco e o amarelo. No seu alternar-se, o ilustrador compõe a sinfonia soturna que acompanha a história. Mas diferentemente das obras em que as ilustrações acompanham pari passo a narrativa, em meio às palavras ou em seu redor, aqui elas nos proporcionam uma pausa, nos obrigam a tirar os olhos da narrativa, a parar de seguir a história para receber as imagens, que se ampliam e aproximam como um zoom. Rosas amarelas, uma moça pálida, o preto da noite. O amarelo, o branco e o preto que nos envolvem continuamente até o final.
Mas e o começo da história? Passageiros na noite vão se transformando nas personagens da narrativa que vai se desenvolvendo através dos diálogos de Justino e Rodolfo Queirós, o apaixonado por Clotilde. Mas essa paixão rememorada na escuridão do vagão (no qual um misterioso ‘eu’ tudo escuta enquanto “dorme profundamente” e tudo nos conta) vai se concretizando em um vício tenebroso, delineado a partir das falas de Rodolfo, descrevendo os braços de Clotilde e a “vontade de tê-los só para os meus olhos, de beijá-los, de acariciá-los, mas principalmente de fazê-los sofrer” (20).
O diálogo prossegue, a viagem do trem na noite chuvosa e escura, e nossa personagem revela esse vício que vai tomando conta a ponto de ele sentir o prazer de um orgasmo ao provocar a dor na pálida donzela e confessa a Justino seu tremor, querendo espetar um alfinete no braço de Clotilde, sorver-lhe o sangue “como a ambrosia do esquecimento”. Depois da perda da noiva sadicamente amada, o rapaz se volta às moças que passam pela rua, que param em algum lugar, as que pode alcançar com seu alfinete, metáfora sutil e dolorosa, matéria para psicólogos e leitores. Até que o esboçado ataque final permanece no ar como o som do sino “acordando a noite, enchendo a treva de um clamor de desgraça e de delírio” (64).
A história é curta, densa e reveladora. Vale a pena sentir-se presente naquele vagão escuro para acompanhar o relato do vencido que se entrega ao vício com o prazer e a culpa de um potencial serial killer, nem que seja para afirmar, como Justino: “Que horror!”.

Título: Dentro da noite
Autor: João do Rio
Ilustração: Andrés Sandoval
Editora: Girafinha, 2008

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s